A saúde cubana na Revolução

A saúde cubana na Revolução
A saúde cubana na Revolução

Dados gerais sobre a saúde cubana na Revolução.

A saúde cubana na Revolução, desde os seus primeiros anos esteve encaminhada ao serviço do povo e um dos seus principais sinais é o seu carácter gratuito. Com o triunfo de 1º de Janeiro de 1959, o Governo Revolucionário acometeu a tarefa de formar cada vez mais médicos e de criar uma infra-estrutura para a saúde pública que pudesse dar resposta às necessidades do povo. Assim também, foram criadas instituições dedicadas totalmente ao estudo e investigação de doenças com o fim de buscar a cura para aquelas doenças que são completamente previsíveis e curáveis. Neste sentido, podemos afirmar então que a Revolução conseguiu erradicar doenças tais como a poliomielite, em 1962; a malária, em 1967; o tétano neonatal, em 1972; a difteria, em 1979; a meningoencefalite pós-parotidite, em 1989, a síndrome de rubéola congênita, em 1989, etc.

A saúde cubana na Revolução e as suas principais problemáticas.

Para ninguém resulta ser um segredo então que a saúde cubana na Revolução foi fortemente afectada pela crise económica que se produziu depois da queda do bloco socialista, e pela qual foi necessário realizar uma reforma no sector da saúde pública cubana para poder fazer face às constantes agressões e ameaças do governo norte-americano, já que em muito pouco tempo a Ilha tinha ficado sem o seu principal fornecedor de medicamentos, material e insumos médicos e com a promulgação da Lei Torricelli numerosas firmas que tradicionalmente tinham vendido equipamentos médicos ou os seus componentes a Cuba suspenderam as suas operações porque o Departamento do Tesouro dos EUA negou as licenças de exportação, por serem subsidiárias dalguma transnacional norte-americana ou porque os equipamentos contavam com componentes de fabricação do dito país. Isto, em parte, provocou uma insuficiência de medicamentos e de matérias primas para a indústria farmacêutica e a não renovação de equipamentos médicos. Isto provocou, além disso, investimentos ainda maiores no sector, pelo que hoje o país importa menos de 20% dos medicamentos que consome e produz vários equipamentos médicos, o restante o importa de corporações europeias, como Philips ou Siemens.

Conquistas significativas na saúde cubana na Revolução.

Entre 1980 e 1985, a saúde cubana na Revolução fundou instituições tais como o Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia, o Centro Nacional de Investigações Científicas, o Centro de Cirurgia Cardiológica Infantil William Soler, entre outros. Conseguiu-se criar um equipamento de ressonância magnética com sistema Evalimage para a visualização e análise termográfica de imagens e o bisturi laser cubano. Em Cuba começaram a ser realizados transplantes de rins, fígado, coração e coração-pulmão. Também efectuaram-se contribuições à medicina como a vacina contra a meningite meningocócica, o interferon alfa leucocitário humano, a descoberta duma substância que cura o vitiligo e a obtenção do factor de crescimento epidérmico.

Artigo anteriorA Reconcentração de Weyler
Próximo artigoA situação do turismo em Cuba

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentários são processados ​​.