O Teatro cubano

Teatro cubano
A primeira obra reconhecida no teatro cubano é "O príncipe jardineiro e fingiu Chloridane" de Santiago de Pita e Borroto, editada entre ...

O Teatro cubano, máscaras e emoções

O teatro, uma manifestação artística que move emoções e pensamentos, tem sua própria história e evolução na maior ilha do Caribe.

Ela remonta a séculos no mundo e também em Cuba, onde são experimentados e buscados novos horizontes em relação a outras manifestações. Assim aparece o teatro de balé; revistas de teatro, dança e música. O esforço para consolidar o teatro lírico também é considerável.

Até os grupos de humor já têm seu próprio evento anual e outros que usam obras clássicas do teatro universal e outros gêneros como o docudrama. O teatro de Cuba tem uma história fascinante, cheia de nuances, protagonistas e personagens que eu convido você a conhecer, é outro dos tesouros da ilha.

Origem do teatro cubano

Los areítos, a primeira manifestação do teatro em Cuba.

Muitos reconhecem que os areitas são a expressão mais alta da cultura aborígine cubana, uma palavra que significa ensaiar ou recitar. Neles vinham cantando, dançando, poesia, coreografia, música, maquiagem, pantomima organizada pela tequina ou coreógrafa, professora, artesã ou especialista.

Esses ritos viram o nascimento dos primeiros poetas, atores e músicos cubanos, em uma representação artística carregada de elementos religiosos que aludiam a suas próprias histórias, tribos, identidades e meio ambiente.

Eram narrativas históricas que contavam as principais ações e façanhas de chefes e senhores, além de eventos do dia-a-dia relacionados à fertilização e novas colheitas.

Eles não tinham um lugar ou teatro, como aconteceu com outras culturas aborígines, eles aconteciam no batey, que era a praça ou na cana que eram suas casas.

Suas danças, seguidas, circulares ou em ângulo com a linha de dançarinos e a composição dos dançarinos-atores, feitas com penas e flores, com seus corpos pintados de vermelho e preto, eram em si um espetáculo.

A música era tocada com um tambor, feito de madeira, chamado mayohuacán, e trompetes primitivos (guamos) formados por grandes caracóis marinhos, maracas elementares, flautillas e uma espécie de chocalho, construído com conchas univálvulas, usadas nos braços e pernas.

As vozes dos dançarinos, dança, bebida e música, alcançaram um entusiasmo compartilhado por todos e através do qual um ambiente propício para celebrar ritos religiosos e proporcionar alegria à tribo foi alcançado. Com a chegada dos espanhóis e o desaparecimento dos aborígines, os areitas desapareceram.

Corpus Christi

A colonização terminou a vida aborígine e levou o teatro a continuar seu curso desta vez com os clientes trazidos da Espanha. Os festivais cristãos de Corpus Christi, datados de 1520, foram o primeiro exemplo.

Eles também foram chamados de festas de carros por causa da presença de vagões que transportavam fonemas de carros, acompanhados de músicas, músicas e danças.

O pioneiro do teatro se chamava Pedro de Castilla, que em 1520 fez uma dança de Corpus e, durante muito tempo, falou sobre seu trabalho na organização de sapateiros, ferreiros, carpinteiros e calafetadores de carros e vestidos, ou seja, cenários e figurinos, bem como todas as máquinas e invenções teatrais de tramoya, estejam prontas.

Depois vieram Juan Pérez de Bargas e Jorge Ortiz, que conseguiram vencer Havana na presença de músicos de sopro e cordas que aplaudiram festivais públicos, não apenas o de Corpus Christi, mas também os de San Cristóbal, San Marcial e San Miguel. .

Paralelamente a Corpus Christi, os escravos negros também começaram a apresentar suas próprias manifestações do tipo cerimonial. Eles foram organizados pelos conselhos, representações simples de carros profanos mostraram a força das culturas africanas.

Primeira peça teatral e primeiros teatros.

A primeira obra reconhecida no teatro cubano é “O príncipe jardineiro e fingiu Chloridane”, de Santiago de Pita e Borroto, publicada entre 1730 e 1733 em Sevilha. Longe da realidade cubana, ele faz alusão a cavaleiros galantes.

É o primeiro texto dramático cubano e a antecâmara da cena popular cubana que também deu origem ao aparecimento do teatro como instituição no final do século XVIII e início do século XIX.
Em 1775, o teatro do Coliseu apareceu e, em 1838, o teatro de Tacón, agora García Lorca, foi inaugurado.

Depois vieram a ópera italiana e a zarzuela e o teatro dramático foi entregue às grandes companhias espanholas. Os artistas cubanos acabaram nos teatros mais humildes e populares.

Os diabinhos

A própria vida da comunidade escrava, suas lutas e desejos proibidos, bem como o sincretismo, gradualmente deram origem a cerimônias onde elas representavam tudo.

O Dia dos Três Reis trouxe os diabinhos, um dos personagens mais importantes do teatro cubano. Havia a culona ou sábio, o Egungun, o mojiganga, o kokoríkamo, o peludo, os anões, o anaquillé, ancestral dos fantoches da vara, os mamarrachos e a cobra.

Teatro de Relacionamentos

Foi em poucas palavras o teatro de rua. Eram cenas dramáticas, onde decimais eram recitados e cantadas canções, que negros livres tocavam para conseguir alguns centavos de seus mestres brancos.

Um teatro de rua com sátira, coros, críticas com grupos de possíveis influências de Mandinga e Conga.

Foi revitalizado pelo Cabildo Teatral de Santiago, fonte de criação nacional, em busca da expressão popular e da cultura popular tradicional.

O teatro cubano do século XIX trouxe o negrito.

Em apenas trinta anos o teatro cubano surge. Covarrubias inaugurou o gênero vernáculo e o negrito, e logo depois os dramaturgos e o romantismo apareceram.

Foi um período fértil porque a comédia ganhou terreno, o melodrama lidou com sérios conflitos, novos teatros foram construídos, empresas organizadas e excelentes artistas nacionais apareceram.

Cuba se tornou uma praça teatral de primeira ordem, mas com a discriminação e a censura do artista cubano, começou a luta teatral que deu os primeiros passos em direção à nacionalidade cubana.

O negrito

Para conhecer bem o significado e a importância desse personagem, é necessário saber que foram os autores brancos que criaram o negrito, que foram representados por atores brancos, para o público branco, atuando em espanhol ou focinho (a língua parodiada), e sempre mostrando o ponto do ponto de vista da cultura escrava.

Foi Francisco Covarrubias que o representou muitas vezes, cantando e dançando no estilo de sua nação. Covarrubias torna-se o decano dos atores por ter lançado as bases do gênero vernacular e por transformar personagens populares em crioulo e dar continuidade à captura.

Outros autores fundamentais do século XIX para o teatro cubano.

José María Heredia: Mudou completamente a cena do teatro. Ele deixou dez peças, planos e projetos, anotações e trechos de outras dez. Ele foi o primeiro dos autores cubanos a se comprometer politicamente e usou o teatro como uma arma contra a Espanha e o primeiro dramaturgo americano que tentou escrever sobre a luta indígena contra a conquista.

José Jacinto Milanés: Suas obras refletiam a realidade imediata, a paisagem cubana e os homens humildes. Simples e crioulo trabalha com a língua cubana, incluindo Ojo à la finca e El mirón cubano.

La Avellaneda: Deixou vinte obras entre tragédias, comédias, dramas, adaptações e peças em um ato. Seu teatro leva ao estímulo bíblico-cristão, à grandeza hispânica e ao sentimentalismo.

Autores e obras importantes no teatro cubano do século XX

O século 20. abriu possibilidades de talento e criatividade, sendo conhecidas as obras de Virgilio Piñera, Carlos Felipe, Rolando Ferrer e Paco Alfonso.

O teatro individualista, por seus orçamentos e soluções, elevou a linguagem do teatro acima do que foi feito antes e se separa do teatro vernacular sem abrir mão da busca por Cuba.

1959 trouxe mudanças radicais ao teatro em Cuba devido à possibilidade de estreias, aos diferentes grupos teatrais e ao trabalho do Seminário de Dramaturgia do Teatro Nacional, o que levou ao surgimento de um grupo de autores de obras consagradas.

Abelardo Estorino: Ele foi o dramaturgo mais importante da cultura cubana. Ele ganhou o Prêmio da Crítica com seu livro Teatro em 1985, no qual colecionou seus trabalhos mais destacados até o momento e foi o Prêmio Nacional de Literatura por seu trabalho.

José Triana: Vencedor do Prêmio Casa de las Américas e autor de obras como Medea no espelho, O Parque da Fraternidade e A Visita dos Anjos, A Morte do ñeque e A Noite dos Assassinos.

Antón Arrufat: Prêmio Nacional de Literatura, outro dramaturgo relevante. Ele concebeu obras como A galinha viva, Os dias completos, O último trem e Os sete contra Tebas, Prêmio 1968 da UNEAC.

O teatro hoje

Atualmente, existem centenas de teatros em Cuba e os grupos fazem as Cruzadas teatrais movendo-se para áreas intricadas em todo o país.

As versões atualizadas são apresentadas, adaptadas e dirigidas por seus autores ou por outros, pois marcaram um momento importante no desenvolvimento dessa manifestação artística e, embora exista uma forte tradição teatral, ela não é suficientemente estendida a todo o país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentários são processados ​​.