O Cristo de Havana

O Cristo de Havana é uma majestosa escultura
O Cristo de Havana é uma majestosa escultura

O Cristo da Cidade está à vossa espera em Havana.

Sobranceiro à baía de Havana com o sinal da bênção perene está O Cristo de Havana, outro dos símbolos da cidade. Quando visita a capital das Caraíbas, este é um dos lugares que não pode deixar de visitar.
É uma escultura monumental de vinte metros de altura e a sua imagem provoca respeito e reverência para com os turistas. Ao passar por Havana, você não pode deixar de visitá-la com a família e amigos e tirar fotos diante da imensidão da paisagem marítima e da cidade. Convidamo-lo a conhecer parte da sua história.

História.

Uma promessa religiosa foi a razão pela qual hoje podemos desfrutar deste maravilhoso trabalho numa colina em La Cabaña. Tem algo a ver com a história do país. Após o assalto ao Palácio Presidencial em 13 de março de 1957, a primeira dama do país, esposa de Fulgencio Batista, em desespero e medo pela vida do marido, prometeu erguer uma imagem de Cristo que poderia ser vista de qualquer lugar da cidade se ele permanecesse vivo.
Foi assim que aconteceu, Fulgencio Batista sobreviveu e foi lançado o concurso intitulado O Cristo de Havana. Foi criada uma comissão para recolher fundos destinados a financiar o projecto vencedor e a consequente execução dos trabalhos. Martha Fernández Miranda, a Primeira Dama, conseguiu recolher 200.000 pesos.

O Cristo de Havana, uma ideia de Jilma Madera.

A autoria desta obra é atribuída à escultora cubana Jilma Madera, que submeteu o seu esboço ao concurso e simplesmente o venceu.
Muito tem sido dito sobre a controversa imagem de Cristo com lábios pulguentos e olhos inclinados, mas ela afirmou que a concebeu de acordo com a mistura de raças de Cuba e no seu próprio ideal de masculinidade. Outros afirmam que o Cristo tem a imagem de um homem com quem ele teve uma importante história de amor.

Como é o Cristo de Havana?

O Cristo de Havana, localizado na cidade de Casablanca, representa Jesus de Nazaré através de uma escultura, obra da escultora Jilma Madera.
Curioso é o facto de não ter os braços abertos como os representantes do Rio de Janeiro, Angola ou Portugal, abençoa com uma mão, a outra no peito e, segundo o autor, tem os pés no chão.
Outra anedota curiosa vem das suas bacias vazias. Diz-se que Batista visitou o local e disse a Jilma que o achava perfeito, excepto pelos olhos sem expressão. A autora disse-lhe que ela estava errada e que se tivesse parado para dar uma olhadela a poucos metros de distância iria perceber que estava realmente a olhar para ele.
A imagem foi feita em mármore Carrara e tem 20 metros de altura. Perguntamo-nos como algo tão grande pode ser segurado a 51 metros acima do nível do mar e pesando 320 toneladas.
Mas aí está, porque, para a conceber, todas as medidas foram tomadas, mesmo os mais pequenos pormenores foram supervisionados pela Jilma.
O Cristo está sobre uma base de 3 metros e é composto por 67 peças que foram trazidas de Itália. Ali foi esculpida e também abençoada pelo Papa Pio XII.

Montagem.

Montar a escultura não foi tarefa fácil. Em primeiro lugar, porque não foi possível fazê-lo de uma só vez. Para terminar este trabalho colossal, foram utilizadas cerca de 320 toneladas de mármore branco Carrara, com 67 peças sobrepostas no seu interior.
Para este fim, foi utilizada uma grua e o trabalho preciso de mais de uma dúzia de homens. A base tem três metros de profundidade e no centro foi erguida uma armação de espigões, que é refinada no tronco e na qual foi inserida uma viga de aço que se estende até à cabeça.
Cada peça de mármore foi amarrada com tensores de aço à estrutura central e o espaço vazio foi preenchido com betão depois de verificado o nível e o ajustamento de cada camada horizontal.
É de salientar mais uma vez que a partir da sua localização se pode desfrutar de uma das mais belas vistas de Havana e na qual se pode observar a passagem de grandes navios e pequenas embarcações de passageiros que transportam os vizinhos de ambos os lados da baía.
Foi inaugurado em 25 de Dezembro de 1958, com a presença de Fulgencio Batista.

Reparações.

Aconteceu que um estaleiro de construção a uma altitude tão elevada e com a consequência de tempestades eléctricas nas Caraíbas não estava equipado com um pára-raios. Mas Jilma, que é sempre clarividente, trouxe consigo uma peça extra de Itália, para o caso de ser necessária.
Em 1961, foi anunciado na televisão que, após trovoadas prolongadas, um raio tinha atingido e furado a cabeça de Cristo nas suas costas.
Rapidamente Jilma, trabalhando em conjunto com os bombeiros, subiu e foi capaz de reconstruir o segmento danificado para que a chuva não danificasse o interior. Esta reparação demorou cinco meses. As novas descargas eléctricas danificaram o trabalho. Outro em 1962 e 1986, respectivamente, e já para este último foi colocado um pára-raios.
Esta última contou com o apoio de várias instituições religiosas que assumiram o investimento e a execução, mas não foi garantida por critérios especializados e não utilizaram os materiais viáveis.
A possibilidade de um colapso já estava prevista em 2012, o que obrigou a uma nova reparação. A gestão do Complexo Museológico Morro-Cabaña, o MINFAR e a Defesa Civil e o Grupo de Investimento OHC participaram, desta vez de forma mais aprofundada e com os materiais adequados.

Awards e Reconhecimentos.

Prémio Nacional de Restauração 2013
O Cristo de Havana recebeu o Prémio Nacional de Restauração 2013 no dia 18 de Abril do mesmo ano. Atribuído por um júri pelo excepcional e rigoroso trabalho de investigação científica, pelo diagnóstico preciso e pelo restauro integral de um monumento escultórico de dimensões excepcionais e por ter resgatado com absoluto rigor um marco importante da cidade e do seu panorama.
Recebeu também os prémios ICOMOS-Cuba e DOCOMOMO-Cuba 2013.

monumento Nacional.

Também pelos seus valores artísticos, e por se ter tornado um símbolo da paisagem da baía e um ícone de grande popularidade na identidade da capital, foi declarado Monumento Nacional em 6 de Novembro de 2017.

Curiosidades.

Jornais e moedas, entre outros objectos da época, foram enterrados na base do monumento pelo seu autor.
Para dar a impressão de olhar para todos de qualquer lugar, a escultura deixou os olhos do Cristo vazios.
O Cristo usa chinelos de dedo, semelhantes aos que o autor usou durante todo o projecto e que foram tomados como modelo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentários são processados ​​.