A infra-estrutura turística cubana

A infra-estrutura turística cubana
A infra-estrutura turística cubana

Acerca da infra-estrutura turística cubana

A infra-estrutura turística cubana estabelece-se a partir da organização que o sector institucional turístico detém na actualidade. Esta organização fortalece-se com a criação do Ministério do Turismo, em 1994, e com a aprovação da lei Nº 77 de 1995 para o Investimento Estrangeiro na Assembleia Nacional. Estas disposições consolidam a estrutura do Sistema do Turismo Cubano, ao definir a existência dum novo Ministério reitor da actividade no país. A missão fundamental deste Ministério é desenhar e executar a política turística a seguir para conseguir o desenvolvimento deste sector através da competitividade global, a rentabilidade e a sustentabilidade do mesmo. Estas directrizes mantêm-se, adequando-se segundo as necessidades existentes. O Ministério do Turismo funciona como um organismo de direcção política e controlo do âmbito turístico e como tal faz parte do Governo e se relaciona com o restante dos organismos do Estado e com todas as entidades turísticas e do sistema, que oferece serviços ao turismo.

Estrutura compositiva da infra-estrutura turística cubana.

A infra-estrutura turística cubana é conformada por várias cadeias e grupos hoteleiros tais como: Cubanacán, Gran Caribe, Club Med, Hilton Hotels Corp, NH Hoteles, Sol Meliá, Horizontes Hoteles, Islazul, Gaviota S.A, Corporação Habaguanex, Las Terrazas e Campismo Popular. Entre os extrahoteleiros encontramos o Grupo de Recreação e Turismo Rumbos, Cubatur, Transtur, Turarte, Caracol. Cada um deles possui uma importância relevante dentro do contexto do desenvolvimento turístico da Ilha.

A infra-estrutura turística cubana e os seus principais serviços.

Cubanacán é das companhias líderes dentro da infra-estrutura turística cubana, tanto nas operações hoteleiras como extrahoteleiras, bem como noutros negócios dentro do sector, bem seja pelo volume dos seus investimentos ou os contratos de administração e comercialização de instalações, fundamentalmente de quatro e cinco estrelas que compreende dezassete companhias especializadas em diferentes actividades turísticas, hotéis, marinas, serviços médicos para turistas, entretenimentos. Muitos destes serviços oferecem-nos mediante joint ventures com reconhecidas firmas internacionais, entre as que destacam Meliá e Tryp da Espanha, Super Club and Sandals, da Jamaica; LTU da Alemanha e Golden Tulip, da Holanda. Cubanacán enfrentou em 2002 um plano ambicioso, que deverá produzir incrementos nas receitas, as utilidades e a disponibilidade financeira. A outra grande cadeia hoteleira presente na Ilha é Gran Caribe, a qual comercializa instalações próprias ou de terceiros, sob diferentes modalidades e marcas. Desenvolve a actividade de eventos, congressos e incentivos, bem como serviços gastronómicos, comerciais e de lazer nos seus hotéis e locais extrahoteleiros, como o cabaré Tropicana e os restaurantes Floridita e La Bodeguita del Medio. A outra cadeia significativa a destacar é a espanhola Sol Meliá, a qual registrou uns resultados extraordinários derivados da venda de hotéis, no valor de 20 milhões de dólares.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentários são processados ​​.