Arquitectura barroca cubana

A arquitectura barroca cubana
A arquitectura barroca cubana

Generalidades da arquitectura barroca cubana

A arquitectura barroca cubana refere-se, nomeadamente, a toda aquela obra construtiva realizada na Ilha no século XVIII, o qual é considerado como o século barroco por excelência, tanto na arte quanto na construção. Este estilo será o que virá a definir as normas e ideias que chegam, embora um pouco tardias mas que influem grandemente na sociedade crioula que adapta o barroco às suas condições insulares, tanto no material quanto no espiritual. As obras mais notáveis deste estilo as possui a arquitectura havanense, embora possa ser encontrada ao longo do país. Os seus elementos compositivos são caracterizados pelo emprego da linha curva como elemento básico de desenho que serpenteia nas suas terminações, o jogo com a luz presente nas fachadas e que procura o efeito dos claros-escuros, as pilastras e colunas perdem a sua função estrutural e se colam aos muros como elementos decorativos para escoltar nichos por ocasiões vazios, ressalta-se o uso da perspectiva e predomina o balanço simétrico na composição.

Principais características da arquitectura barroca cubana

A arquitectura barroca cubana tem características muito próprias, de acordo com os materiais de construção de que se dispôs para realizar as obras, nomeadamente pedras que pela sua fragilidade não poderiam ser trabalhadas com a exuberância que o barroco assumiu noutras latitudes. O clima e as condições geográficas tornaram necessário realizar adaptações que na ordem prática eram muito sui géneris. Este é o período mais prolífero nas construções domésticas, civis e religiosas. Agora, às moradias das famílias mais poderosas acrescentava-se um segundo piso. Os códigos barrocos conjugam-se com os do mudéjar e surge aquilo que se chamou o barroco cubano.

Algumas particularidades da arquitectura barroca em Cuba

A máxima expressão da arquitectura barroca cubana vê-se reflectida na residência do crioulo endinheirado, a qual define a sua planta neste período e que vem evoluindo desde o século anterior a partir da arte mudéjar espanhola e as necessidades da Ilha. Neste sentido a casa colonial crioula acrescenta no seu exterior o corredor de sua fachada sustentado por grandes colunas de pedra. A casa senhorial agora constará de dois pisos e um piso intermédio (mezanino), com grandes sacadas no piso superior ao longo da fachada e outros breves nos mezaninos. Os balaustres das sacadas e escadas são de madeira torneada, tal como as grades das grandes janelas. As portas seguradas com pregos e fortes completam a carpintaria duma casa que continua a ter o recolhimento e intimidade do século XVII. O pátio central define esta casa, pois para ele abrem-se as habitações e as galerias interiores que centram a vida doméstica da moradia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentários são processados ​​.